terça-feira, 23 de junho de 2009

És o tudo


És o tudo

Ai olhei pro lado e vi
Vi que do nada vem o tudo, entretanto

Tanto que se pego e não me apego

Ego forte se torna fraco

Fraco ego se transforma em um nada
E do nada recomeça o tudo...

Tenho medo do tal do nada

No vazio me faz forte

Na fortaleza... Me faz fracassar

Do tudo que possuo hoje

Nada tenho em minha vida


Mas tudo que tenho, eis a questão
De nada reclamo do tudo que tenho

Posso até buscar ir além
Porém és a dádiva da minha vida


O olhar que diz tudo, pega-me

Deixe que o nada nos permita

E que valer a pena, eu faço

O nada que te pertence

É justamente o tudo que me completa


Tú és o tudo do meu nada



Texto e foto: Thiago Maia
Mais fotos em: www.flickr.com/thyagumayah

3 comentários:

Tetê disse...

Sei bem o que é ser o nada de um tudo...
como sei
!

Jéssica Rehem disse...

Adorei suas fotos e seus textos.Suas palavras são distintas e situadas de modo com que desperte algo intato.
"Apesar de não ter um tudo no meu nada posso até buscar ir além e do nada recomeçar o tudo,não temendo o tal do nada,por isso que faço tudo valer a pena,vivendo tão intensamente ao ponto de fracassar mas de nada reclamo porque minha vida és uma dádiva." Isso foi o que estava intato em mim e que se despertou com as suas palavras.
Obrigada por ter feito parte da minha veemente vida e espero que eu não tenha transparecido algo desagradavel ao ponto de fazer você escoar do meu mundo.

Leillyanne disse...

Muito profundo. Amei esse poema, maravilhoso.
Tú és o tudo do meu nada
Trocadilho mais lindo.